Conheça os mestres convidados 2014

barra

Mestre Adriano SantosMestre Adriano Santos – (Adriano Mumu)

Adriano Carlos dos Santos, tem 28 anos, casado, pai, estudante de História (Fundação de Ensino Superior de Olinda – Funeso), trabalha na Prefeitura da Cidade do Recife como na área da saúde como Redutor de danos, Mestre de Maracatu Nação, Coquista,Sambista, Afoxezeiro, Camdonblesista – pertecente ao Ylê Ax�� Oxum Lony, produtor musical e cultural. Desde pequeno morando em Chão de Estrelas teve contato com o mundo cultural através do Daru�� Malingo, logo mais Adriano começa a adentrar o mundo do Samba e pagode, tocando em diversos grupos tradicioanis, juntamente com Sambistas das Escolas de Samba Gingante do Samba e Galeria. Passa por diversos grupos de dança e de percussão, toca ciranda, frevo, coco, maracatu, dentre outros rítmos. Adriano Carlos é Mestre do Maracatu Nação Cambinda Estrela, Voz principal do Coco dos Pretos. Atualmente Adriano Carlos esta Ministrando as oficinas de maracatu nação (sotaque do Cambinda Estrela), afox������ coco no Centro Cultural Cambinda Estrela para sócios (crianças, adolescentes e jovens) e pessoas externas.

barra

 Mestra e Presidenta Wanessa SantosWanessa Paula Conceição Quirino dos Santos

Formada em Pedagogia, estudante da FUNESO do curso de Pós gradua��ão em História da África, Mãe, candomblecista, maracatuzeira, produtora cultural, professora, arte educadora, Back vocal, Mestra e Presidente do Centro Cultural Cambinda Estrela responsável pelo: Maracatu Nação Cambinda Estrela, Maracatu Mirim Cambinda do Amanhã, Afoxé Omolu Pá Kêrú Awó, Coco dos Pretos e Ylê Axé Oxum Lony.
Wanessa Santos tem 30 anos, é mãe, casada e cheia de atitude e garra. Essa filha de Oyá é conhecida na sua Naç��o e por muitos amigos como uma pessoa forte, determinada, guerreira, que tem um espírito forte e é uma grande liderança. Desde bem cedo Wanessa comanda a Nação Cambinda Estrela, mesmo diante tantos atropelos que rodeiam este mundo tão machista, Wanessa vem lutando contra a discriminação, preconceitos e o racismo, é uma mulher que defende a bandeira das mulheres e brigar pelos espaços que as mulheres devem ocupar, no seu último debate em uma roda de diálogos – A presidenta Wanessa Santos defendeu os direitos das Mulheres Negras, falou sobre as suas importâncias, sobre os maltratos, sobre a exploração, sobre o que é ser mulher, mulher Negra e etc… A conversa foi longa!
Nos anos 90 ainda adolescente Wanessa assume responsabilidades diversas e vem até hoje guiando a sua Nação para caminhos que percorrem atividades sociais e a construção humana. Desenvolvendo projetos e atividades de inclusão social, desenvolvimento, aprendizagens diversas.

barra

 missinho2Edmilson Lima Nascimento (Mestre Missinho)

Mestre Missinho como �������������� mais conhecido em Recife tem sua historia como mestre de maracatu de baque virado com inicio no Maracatu Leão de Judá onde fazia parte da diretoria, logo depois saiu do maracatu e foi realizar o sonho em ter o seu próprio maracatu. A idéia em fundar sua própria agremiação surgiu em uma reunião de Jurema Sagrada onde foi dada a sugestão para que fosse feito um novo maracatu. Assim se deu inicio a sua formação como mestre de maracatu, onde já ocupa essa função há mais de 20 anos. Atualmente comanda e é mestre da Nação do Maracatu Encanto do Dendê.

barra

Mestre ArlindoArlindo Carneiro dos Santos

Mestre Arlindo, é presidente e mestre do Maracatu Cambinda Africano, fundado por seu pai, Mestre Natércio.
A agremiaç��o, antes chamada Cambinda ‘Africana’, tinha o caráter de troça ao sair às ruas para brincar nas quartas feiras de cinza. Tornou-se um maracatu na������������������o a partir do momento em que começou a realizar obrigações religiosas para adquirir fundamento e v��nculos com a religião dos orixás. Essa mudança diz Arlindo, foi necessária para desvincular o maracatu dessa brincadeira descompromissada.
O baque do Cambinda Africano possui um toque cadenciado e regular, sem adoção de linguagem sofisticada, de paradas e de acelerações rítmicas sucessivas e intermitentes no decorrer do cortejo, podendo ser caracterizado como um baque à moda dos antigos maracatus. Seu batuque é composto por homens adultos e jovens.

barra