Na rota do maracatu

Para descrever sobre o que é Encontros, se faz primordialmente necessário, expor a definição de Maracatu Nação, que não é tarefa muito fácil, pois existem diferentes compreensões e atributos para cultura popular. A compreensão sintetizada que temos sobre o Maracatu Nação ou Maracatu de Baque Virado, é enquanto manifestação cultural artística, de cunho religioso de origem afro-brasileira, genuína de Pernambuco. No entanto, a sua atual prática integra pessoas pelo mundo inteiro, sem distinção de etnia e classe social.
O Encontros tem o intuito de possibilitar a integrantes de grupos e Nações do Maracatu, a vivência, debates, divulgação e trocas de modo que possibilite não ser Encontro no singular e sim Encontros no plural, fazendo com que seja contínuo, realizado todos os anos e envolvendo a cada edição, mais grupos, pessoas e Nações.
“Na rota dos baobás” é um dos projetos da Casa de Cultura Tainã em Campinas que, através dessa árvore, trabalha a difusão e a valorização de  princípios da cultura africana em comunidades de diversas localidades.
Baobá é uma espécie de árvore africana, que pode viver mais de 3 mil anos, por isso também é conhecida como a “árvore da memória”, guardiã das histórias da humanidade. Ela pode alcançar alturas e diâmetros colossais. É um elemento simbólico da tradição e ancestralidade africana no Brasil e no mundo.
O projeto “Encontros 2014 – Na rota do Maracatu”  faz analogia a essa proposta e tem o prazer de identificar e somar-se a história da Casa de Cultura Tainã neste ano.
Por conta da ausência de feriado no mês de novembro,  tivemos que pensar no Encontros num formato mais reduzido do que o de costume, mas não menos rico na proposta de estudo e vivência do maracatu de baque virado.
Com data marcada para os dias 30 de outubro, 01 e 02 de novembro, o projeto segue com o sincretismo do dia dos finados, consagrando o ritual dos maracatuzeiros nessa data que reverencia a ancestralidade do povo brasileiro junto à identidade de suas manifestações culturais populares.
Devido ao tempo mais curto de deslocamento das pessoas de suas diversas localidades do território brasileiro, estabelecemos a prioridade em manter-se no estado de São Paulo, uma vez que ele abriga, depois de Recife, a maior quantidade de grupos que trabalham a linguagem do maracatu de baque virado do país.
Foi em Campinas que encontramos o campo mais rico e acolhedor para essa realização, o que ficou claro pra nós a importância do resgate histórico em que a localidade pode agregar ao projeto. Tivemos na cidade o devido acolhimento e riqueza histórica para somar-se ao projeto. Recebidos pelo militante cultural TC Silva, foi na Casa de Cultura Tainã que nos deparamos com terra fértil para mais esse plantio.
Que as baobás espalhem-se pelo mundo e sejam espectadoras de mais e mais histórias de luta e resistência de povos devotos de suas raízes.

As the hydrocarbon chain click source becomes longer the oh group is blocked from forming hydrogen bonds with water and the alcohol is no longer soluble

Deixe uma resposta